SQLSystems

Tilápia: Práticas de Biosegurança na Prevenção de Doenças

Tilápia tolera adversas qualidades de água e outros estressores melhor do que a maioria das outras espécies aquícolas comerciais.

Tilápia Cultivada Super-Intensivamnete em Tanque Rede

Tilápia Cultivada Super-Intensivamnete em Tanque Rede

Porque estresse e qualidade ambiental desempenham papéis chaves no processo de propagação  de doenças, tilápia é rotulada como sendo muito “resistentes a doenças.”

Isto significa basicamente que, na presença de patógenos, tilápias são as últimas a contrairem as enfermidades.

Como resultado, muitos produtores de tilápia em todo o mundo historicamente não praticam métodos sanitários de cultura limpa ou não ligam muito para práticas de sanidade aquícola.

Além disso, eles em geral não implementam medidas de biossegurança que se tornou padrão nas indústrias que cultivam peixes menos resistentes à doenças como a truta e o salmão.

Em outras palavras, não havia nenhuma penalidade aparente por ser descuidado ou relaxar a sanidade do ambiente – ou assim era o que e turma pensava.

Dez anos atrás, acreditava-se que havia muito poucas doenças comercialmente significativas na aquicultura. Isto já não é verdade.

Existem hoje várias doenças virulentas que afetam duramente a tilápia. Algumas são recentes, enquanto outras são inimigas antigas que voltaram com vigor redobrado.

Este ressurgimento das doenças em tilápia está provavelmente relacionado à intensificação dos métodos de cultura de peixe em todo mundo.

Tilápias estão sendo criadas em densidades mais altas do que nunca e mais tilápias estão sendo cultivadas em sistemas de recirculação em muitas partes da terra.

Apesar de tilápia se adaptar excepcionalmente bem aos sistemas de recirculação, mas é bom sempre ter em mente que a mesma coisa acontece com os patógenos.

Uma vez que um patógeno é introduzido em um sistema de recirculação, é quase impossível de ser removido. Erradicação de um patógeno geralmente envolve despovoamento, esterilização, e repovoamento das instalações.

Claro, os agricultores perdem todo o dinheiro que tinham investido incluindo os próprios peixes, e mesmo depois da “esterilização”, nunca se sabe exatamente se todos os patógenos foram realmente destruídos.

E, se por algum milagre, os tilapicultores sobreviverem nos próximos sete meses sem receitas, enquanto despejando dinheiro em adquirindo novos peixes para re-estocar, os clientes não esperam, mesmo os mais fiéis, pois, eles também precisam faturar.

É um quadro desolador – Basta perguntar a qualquer produtor de tilápia de recirculação, tanques rede ou mesmo viveiros que tiveram peixes com de Estreptococos, Tricodina, Columnaris sistêmica, ou Aeromonas o que passaram ou estão passando.

Tilápia: Conhecendo como os Patógenos Invadem sua Fazenda Aquícola

A fim de evitar a doença, é preciso considerar como os patógenos invadem ou chegam na fazenda aquícola, e uma vez lá, como eles quebram a resistência das tilápias e as atacam com as enfermidades.

O modo mais comum de introduzir doenças nas instalação aquícola limpas (não contaminadas) é através da introdução de peixes contaminados.

Antes de nossos laboratórios em New México produzirem tilápias certificados livres de doenças, os produtores americanos sofriam e ainda sofrem (os que não recebem nossos alevinos) com doenças devastadoras em suas instalações.

Patógenos, em geral, chegam nas fazendas aquícolas trazidos por alevinos adquiridos de laboratórios/incubatórios contaminados. Uma vez um patógeno é introduzido na instalação, ele se multiplica rapidamente e em um ritmo muito intenso.

 Os sistemas de recirculação, por exemplo, são também ambientes ideais para os patógenos crescerem e se multiplicar – temperatura controlada, águas ricas em nutrientes, muitos lugares para se esconder, e abundância de Hospedeiros! É uma festa!

Outros produtores foram infectados quando a água de instalações infectados contaminou suas instalações no transporte de peixes.

Caminhões com tanques que trafegam de uma fazenda para outra fornecem uma grande variedade de patógenos que estão apenas esperando o momento  para entrar em sua fazenda e fazer aquele estrago.

Os patógenos podem entrar en seu cultivo nas solas dos sapatos de funcionários, em transportadores , na redinha/puça que foi usada em outro serviço  e não foi desinfetada, ou nas mãos de um condutor que tão somente toca na água do seu tanque para sentir a temperatura da água.

Tilápia: Simples Práticas  de Biosegurança

 As tilapicultores não podem dar ao luxo de viver em uma bolha, mas abordando as rotas óbvias de transferência de patógenos (peixe, a água, as mãos dos funcionários, sapatos, etc), o produtor pode reduzir dramaticamente o risco de se infectar.

A melhor maneira de evitar a doença é adquirir alevinos certificados livres de doenças ou pelos menos de instalações que não tenham histórico de contaminações, em primeiro lugar.

O produtor pode reduzir ainda mais o seu risco de doenças através da aplicação de métodos simples a seguir:

  • Arraçoar os peixes com ração de qualidade provendo uma  boa e balanceada nutrição para suas tilápias
  • Evitar a superlotação / super-estocagem
  • Manter uma boa higiene pessoal de todos nas sua instalação
  • Lavar as mãos com sabonetes antibacterianos
  • Banhar os pés com banhos desinfetantes
  • Lavar e desinfectar as redes, puças e todos os equipamentos que vão de tanque a tanque
  • Desinfectar os caminhões que chegam e saem no transporte de peixes
  • Colocar limites sem exceção onde os visitantes poder chegar e tocar.

Lembre estas simples ações podem parecer chatas, trabalhosas e tomadoras de tempo, contudo, você só sabe como são valiosas quando por não ligar uma nota para as estas práticas de biossegurança ver todo seu trabalho, seus peixes e sua receita indo pelo tubo.

Aguarde nossos próximos artigos sobre enfermidades de peixes.

Por: Dr. Damon Seawright, CEO de American Aquaponics e Americulture e  Dr. Aecio D’Silva, CEO Moura Tecnologies.

Links Relacionados:

Comments are closed.