Biocombustíveis

Salicornia: Nova Opção para Produção de Biocombustíveis

Salicornia sp (clique para ampliar)

Com quase o dobro do teor de óleo que tem a soja, Salicornia é um tipo de planta suculenta, halófita (tolerante ao sal) que cresce em pântanos de água salgada, nas praias, áreas costeiras e em manguezais que merece ser considerada como uma opção a mais na producão de biocombustível.

Pertencente a família Chenopodiaceae e gênero Salicornia, as principais species são: Salicornia virginica, S. europaea, S maritime, S. perennis, S. bigelovii e S. gaudichaudiana.

Salicornina, também conhecida como aspargos do mar, tem sido tradicionalmente vista como uma fonte de alimento.

No entanto, com o aumento dos preços do óleo fóssil, tornou-se economicamente muito mais atrativa como matéria-prima para produção de biodiesel e outros produtos energéticos.

Salicornia pode ser cultivada usando água salgada, salobra e suas sementes contêm altos níveis de óleo insaturado (30 por cento, principalmente o ácido linoléico) e alto nível de proteína (35 por cento). Ela suporta inclusive completa imersão em água salgada.

Estas plantas podem ser usadas para produzir alimentos para animais e como matérias-primas de biocombustível em áreas costeiras e salinizadas, onde as culturas convencionais não podem ser cultivadas.

As água salinas ricas em nitrogênio, como as dos efluentes de carcinocultura, podem aumentar a taxa de crescimento e a altura final da planta, e tem sido sugerido que o efluente de aquicultura marinha (cultivos integrado de camarão e plantas halófitas, por exemplo) poderia ser usado para essa finalidade.

Como esta planta cresce em água salgada em terras áridas salizadas e em outros ambientes e solos salinos, sua cultura não compete com agricultura e culturas alimentícias.
 
Cerca de 30 por cento das sementes de Salicornia por peso é óleo de alta qualidade e o restante 70 por cento da biomassa desta oleaginosa pode ser usado tanto como produção adicional de biocombustívies ou como um alimento protéico para pecuária(gado de leite, corte, caprinocultura, ovinocultura e outros animais.

O óleo é muito semelhante em qualidade ao óleo de cártamo (safflower oil). Experimentos têm demonstrado que o óleo de Salicornia como matéria-prima para produzir biodiesel atende todas as especificações internacionais tais como BQ-9000.

Salicornia virginica (clique para ampliar)

A produtividade é bem compatível com outras culturas energéticas. Cada hectare (10.000 m2) de Salicornia pode produzir entre 850 e 950 litros de biodiesel por safra.

O cultivo desta planta pode trazer grandes benefícios à regiões salinas com a criação de atividades econômicas que vão gerar empregos ambientalmente sustentáveis além de contribuir no aumento de oferta de energia a nível local.

O cultivo de Salicornia pode usar equipamentos e técnicas tradicionais de agricultura familiar. A grande vantagem é que áreas salinizadas e regiões desérticas costeiras, essencialmente abondonadas e completamente desprovidas de oportunidades economicas, podem ser revitalizadas pelo cultivo desta planta.

Projetos pilotos devem ser desenvolvidos usando agua salgada e salobra tão comum em muitas regiões áridas e semi-áridas de muitos países. É necessário desenvolver equipamentos especiais para aumentar a produtividade e a taxa de captação das sementes, como também o uso do resíduo da cultura de salicornia como matéria-prima para produção de energia e ração animal.

A promoção de Salicornia por não usar áreas destinadas a agricultura tradicional e culturas alimentares para produzir energia, elimina o dilema de alimentos versus combustíveis devido a não competição com terras agrícolas cultiváveis nem o uso de água doce.

A questão é desenvolver projetos pilotos em áreas aquícolas marinhas (camaroneiras) ou salinizadas que demonstrem viabilidade econômica e partir para escala industrial.  Atualmente existem projetos experimentais do cultivo de Salicornia visando a produção de biodiesel em Ras al-Zawr (Arábia Saudita) e Sonora (noroeste do México).

Artigos Relacionados:

1 comment to Salicornia: Nova Opção para Produção de Biocombustíveis